RSS Feed

O Caminho de Salomão – Rota portuguesa

Introdução a «O Caminho de Salomão»

A 18 de Junho de 2009, precisamente um ano antes do dia em que ia morrer, José Saramago estava em Figueira de Castelo Rodrigo, o ponto final de um roteiro cultural que acabava de inaugurar para conhecer por outras perspectivas o país que trazia no coração. O Caminho de Salomão é o nome deste novo percurso, insólito porque responde a urgências sentimentais e literárias, possível porque já existia e apenas necessitava que o escultor retirasse a pedra da superfície e mostrasse a escultura em todo o seu esplendor.

O Caminho de Salomão nasce em Constância porque Camões, segundo José Saramago, é a porta de entrada em Portugal, por isso, a partir do cercado de Belém, onde esteve o elefante histórico e o do romance que narra a sua viagem até Viena, O caminho leva aonde se diz que nasceu Camões e daí, Portugal adentro, até à fronteira com Espanha, em Castelo Rodrigo. Ali chegou a expedição que inaugurava o novo roteiro no dia 18 de Junho de 2009, como foi dito, e ali Saramago se emocionou vendo o caminhar da história e não a sua decadência, ouvindo o presidente da Câmara falar da recuperação de árvores e de casas, os nomes das pessoas que as habitam, os sonhos que os motivam a viver humanamente num lugar feito à medida humana. Saramago foi feliz corrigindo impressões de há trinta anos, quando escreveu Viagem a Portugal, comprovando que nem tudo está perdido se os homens decidem ser donos do tempo em vez de escravos da monotonia.

Um ano depois de ter estado em Figueira de Castelo Rodrigo, José Saramago morreu. A sua vida de criador de livros e de sonhos nunca se esgotou, jamais deixou de empreender viagens magníficas que o conduziam a pessoas, a cidades, a paisagens e a futuros que somente ele conhecia mas que generosamente nos revelava. O Caminho de Salomão foi o seu último futuro sonhado, por isso a Fundação vai torná-lo realidade. Sabe que conta com a cumplicidade de quem já o percorreu, com certas instituições, com a Câmara de Figueira de Castelo Rodrigo, última paragem da peregrinação dos que procuram conhecer uma terra para se conhecerem melhor a si próprios e serem mais felizes.

Amigos, percorram O Caminho de Salomão, sintam o cheiro de uma pedra e o deslumbramento de uma imagem. Oiçam cantos nas maneiras de falar e nos costumes antigos de receber. Contemplem das ameias centenárias oliveiras que já aí estavam quando conquistados e conquistadores disputavam entre si o paraíso. Não se fiquem pelo relato, escrevam a vossa própria história em Centum Cellas ou em Cidadelhe. E repousem em Castelo Rodrigo: saberão então que o mundo está bem feito. Como o soube José Saramago um ano antes de morrer, como o sabemos aqueles que com ele partilhámos a ventura da criação.

O Caminho de Salomão nasceu para que o 18 de Junho não fosse dia de morte. Obrigado, Saramago.

____________________________________________________

Diário da Viagem, I

El viaje ha comenzado.

Belém, I

O estribeiro-mor, emissário do seu destino, cavalga em direcção a valladolid, já refeito do mau resultado da tentativa feita para dormir em cima da montada, e o rei de portugal, com a sua reduzida comitiva de secretário e pajens, está a chegar à praia de belém, à vista do mosteiro dos jeronimitas e do cercado de salomão. Dando tempo ao tempo, todas as coisas do universo acabarão por se encaixar umas nas outras. Aí está o elefante.

Diário da Viagem, II

jeronimos 015-blog

jeronimos 017-blog

jeronimos 022-bog

Foto 1 – José Saramago (de costas), Rosalía Vargas (Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa) e José Sucena (Administrador-Delegado da Fundação José Saramago).
Foto 2 – Começa a viagem.
Foto 3 – Mosteiro dos Jerónimos.

Belém, II

Aos dez dias desta conversação, ainda o sol mal apontava no horizonte, salomão saía do cercado onde durante dois anos malvivera. A caravana era a que havia sido anunciada, o cornaca, que presidia, lá no alto, sentado nos ombros do animal, os dois homens para o ajudarem no que viesse a ser preciso, os outros que deveriam assegurar o abastecimento, o carro de bois com a dorna da água, que os acidentes do caminho constantemente faziam ir e vir de um lado a outro, e um gigantesco carregamento de fardos de forragem variada, o pelotão de cavalaria que responderia pela segurança da viagem e a chegada de todos a bom porto, e, por fim, algo de que o rei não se tinha lembrado, um carro da intendência das forças armadas puxado por duas mulas. A hora, tão matutina, e o segredo com que havia sido organizada a saída, explicavam a ausência de curiosos e outras testemunhas, havendo que ressalvar, no entanto, a presença de uma carruagem do paço que se pôs em movimento na direcção de lisboa quando elefante e companhia desapareceram na primeira curva da estrada.

Diário de Viagem, III

A caminho de Constância.

Tejo

Podíamos levar os bois até ao rio, deve haver por aí um caminho, Ele não beberia, a água, a esta altura do rio, ainda é salgada, Como sabe, perguntou o auxiliar, Salomão banhou-se uma quantidade de vezes, a última aqui perto, e nunca mergulhou a tromba para beber, Se a água do mar chega até onde estamos, isso mostra o pouco que andámos, É certo, mas, a partir de hoje, podes ter a certeza de que iremos mais depressa, palavra de cornaca.

Constância

Dizem que em Constância nasceu Camões. Ali está o seu nome escrito em azulejos, há um jardim que recorda os seus poemas e reproduz a beleza plástica das rosas ou das árvores que ele amou, ali está a que se considera a sua casa, que é hoje um lugar de cultura aberto à gente jovem e também ao rio, águas mansas que fluem levando olhares e certas nostalgias.

Em Constância há um restaurante que se chama Remédio d’Alma, uma praça, umas ruas de dimensão humana, gente amiga e um Camões de Lagoa Henriques que vê o cair da tarde mas também o mundo que nasce a cada manha.

O Caminho de Salomão tinha que partir de Camões.  Perdão, de Constância, que é terra e é virtude. E é projecto. A viagem começou, continua com ânimo redobrado.

constancia 003-blog

constancia 006-blog

constancia 021-blog

constancia 040-blog

Castelo Novo

Há mais de 30 anos escrevi:
Castelo Novo é uma das mais comovedoras lembranças do viajante. Talvez um dia volte, talvez não volte nunca, talvez até evite voltar, apenas porque há experiências que não se repetem. Como Alpedrinha, está Castelo Novo construído na falda do monte. Daí para cima, cortando a direito, chegar-se-ia ao ponto mais alto da Gardunha. O viajante não tornará a falar da hora, da luz, da atmosfera húmida. Pede apenas que nada disto seja esquecido enquanto pelas íngremes ruas sobe, entre as rústicas casas, e outras que são palácios, como este, seiscentista, com o seu alpendre, a sua varanda de canto, o arco profundo de acesso aos baixos, é difícil encontrar construção mais harmoniosa. Fiquem pois a luz e a hora, aí paradas no tempo e no céu, que o viajante vai ver Castelo Novo.
Também escrevi sobre pessoas concretas há trinta anos:
A uma velhinha que à sua porta aparece, pergunta o viajante onde fica a Lagariça. É surda a velhinha, mas percebe se lhe falarem alto e puder olhar de frente. Quando entendeu a pergunta, sorriu, e o viajante ficou deslumbrado, porque os dentes dela são postiços, e contudo o sorriso é tão verdadeiro, e tão contente de sorrir, que dá vontade de a abraçar e pedir-lhe que sorria outra vez.
De José Pereira Duarte, uma das pessoas mais bondosas que conheci na minha vida escrevi que olha o viajante como quem mira um amigo que já ali não aparecesse há muitos anos, e toda a sua pena, diz, é que a mulher esteja doente, de cama: «Senão gostava que estivesse um bocadinho em minha casa.»
Hoje estivemos com a filha e o genro de José Pereira Duarte, a velhinha já não está, mas outras pessoas amáveis apareceram em Castelo Novo e voltei a sair com o mesmo espírito de há trinta anos. Se o elefante Salomão por aqui passou, as pessoas que compunham a comitiva terão sentido o mesmo. Acolhimentos como estes não se improvisam.

castelo novo 009-blog

castelo novo 016-blog

castelo novo 025-blog

castelo novo 029-blog

castelo novo 032-blog

Castelo Novo, II

Nascer do Sol numa aldeia

As horas passaram, uma pálida claridade a oriente começou a desenhar a curva da porta por onde o sol haveria de entrar, ao mesmo tempo que no lado oposto a lua se deixava cair suavemente nos braços de outra noite. Estávamos nós nisto, atrasando o momento da revelação, duvidando ainda senão haveria modo de encontrar uma solução mais dramática ou, o que seria ouro sobre azul, com mais potência simbólica, quando se ouviu o fatal grito, Há aqui uma aldeia. Absortos nas nossas lucubrações, não tínhamos dado por que um homem se havia levantado e subido a pendente, mas agora, sim, víamo-lo aparecer entre as árvores, ouvíamo-lo repetir o triunfal anúncio, embora sem pedir alvíssaras, como havíamos imaginado, Há aqui uma aldeia.

Centum Cellas – Belmonte

Um torre de que não se sabe a origem, ali está, no sopé de Belmonte.

cetou cella-blog

Sortelha

sortelha-blog

sortelha-blog-2

sortelha-blog-3
E, de repente, toldou-se o sol.

sortelha-blog-4

Cidadelhe

cidadelhe-blog-01
cidadelhe-blog-1
O pálio de Cidadelhe

cidadelhe-blog-2
Um antigo lagar de azeite

cidadelhe-blog-3
Casa de habitação abandonada

cidadelhe-blog-4
Oliveira milenar

cidadelhe-blog-5
Forno comunitário

cidadelhe-blog-6
Caminhando

cidadelhe-blog-7
Castro românico de Cidadelhe

cidadelhe-blog-8
Vida

cidadelhe-blog-9

Rio Côa, Ponte da União

Figueira de Castelo Rodrigo, I

Temos de chegar a castelo rodrigo antes dos espanhóis, devemos consegui-lo, eles não estão prevenidos, nós, sim, E se não o conseguirmos, atreveu-se o sargento a perguntar, Consegui-lo-emos, de todos os modos quem chegar primeiro, espera. Tão simples como isto, quem chegar primeiro, espera, para isso não era preciso que o secretário pêro de alcáçova carneiro tivesse escrito a carta. Algo mais haverá.

Vamos, homem, espevita-me esses bois, gritou, castelo rodrigo já está perto, não tarda muito que possamos dormir uma noite debaixo de telha, E comer como gente, espero, desabafou o boieiro em surdina, para que não o ouvissem. Em todo o caso, as ordens dadas pelo comandante não caíram em saco roto. O boieiro chegou a ponteira da aguilhada ao cachaço dos bois, com efectivo e imediato resultado gritou umas palavras de incitamento no dialecto comum, um esticão brusco que se manterá talvez durante os próximos dez minutos ou um quarto de hora, assim o boieiro não deixe esmorecer a chama.
Acamparam já com o sol-posto e as primeiras avançadas da noite, mais mortos do que vivos, famintos mas sem vontade de comer, tal era a fadiga. Felizmente, os lobos não voltaram. Se o tivessem feito poderiam ter circulado a seu bel-prazer pelo meio do acampamento e escolher, entre os cavalos, a mais suculenta vítima. É certo que um roubo tão desproporcionado não poderia prosperar, um equino é um animal demasiado grande para ser levado de arraste assim sem mais nem menos, mas se tivéssemos de descrever aqui o susto dos expedicionários quando dessem pela presença dos lobos infiltrados, de certeza não encontraríamos palavras bastante fortes, seria um salve-se quem puder. Dêmos graças ao céu por termos escapado a essa prova. Dêmos também graças ao céu porque já se avistam as imponentes torres
do castelo, dá vontade de dizer como o outro, Hoje estarás comigo no paraíso, ou, repetindo as palavras mais terrenais do comandante, Hoje dormiremos debaixo de telha, é bem certo que os paraísos não são todos iguais, há-os com huris e sem huris, porém, para sabermos em que paraíso estamos basta que nos deixem espreitar à porta. Uma parede que proteja da nortada, um telhado que defenda da chuva e do sereno, e pouco mais é preciso para viver no maior conforto do mundo. Ou nas delícias do paraíso.

Figueira de Castelo Rodrigo, II

Atraída pela exibição equestre gratuita e pela possibilidade de que o elefante também saísse, uma boa parte da população de figueira de castelo rodrigo, homens, mulheres, infantes e anciãos, tinha vindo juntar-se na praça, o que levou o comandante a dizer em voz baixa ao alcaide, Com toda esta gente a assistir, as hostilidades são pouco prováveis, Também penso isso, mas com o austríaco nunca se sabe, Teve más experiências com eles, perguntou o comandante, Nem más nem boas, nenhumas, mas sei que o austríaco existe sempre e isso, para mim, é quanto basta. Embora tivesse acenado com a cabeça em sinal de inteligência, o comandante não conseguiu captar a subtileza, salvo se se tomar austríaco como sinónimo de adversário, de inimigo.

Mal entrou no castelo, ordenou que se apresentasse o sargento, a quem deu instruções sobre o destino próximo dos trinta homens que tinham vindo para os trabalhos pesados. Uma vez que haviam deixado de ser necessários, ficariam ainda a descansar amanhã, mas regressariam no dia seguinte,
[…]
No solo, estendidas, havia paveias de feno com espessura suficiente para que as asas das omoplatas não tivessem de sofrer demasiado no contacto com a dureza intratável das lajes. Ensarilhadas,as espingardas alinhavam-se ao longo de uma parede.
[…]
Um silêncio respeitoso reinou durante alguns segundos na grande sala de pedra. Os soldados presentes, embora não muito experimentados em guerras, baste dizer que os mais novos nunca haviam cheirado a pólvora nos campos de batalha, assombravam-se no seu foro íntimo pela coragem de um irracional, uma vaca, imagine-se, que havia mostrado possuir sentimentos tão humanos como o amor de família, o dom do sacrifício pessoal, a abnegação levada ao extremo.

Figueira de Castelo Rodrigo, III

castelo rodrigo-blog-2
castelo rodrigo-blog-4
castelo rodrigoblog-3

Figueira de Castelo Rodrigo, IV

Quando a tradução terminou, o comandante alçou a voz poderosa, acostumada a não ser escutada por ouvidos desatentos e muito menos desobedecida, Sabeis por que estamos aqui, sabeis que viemos buscar o elefante para levá-lo connosco a valladolid, é importante que não percamos tempo e comecemos já com os preparativos da transferência, de modo a que possamos partir amanhã o mais cedo possível, são estas as instruções que recebi de quem podia dar-mas e que farei cumprir de acordo com a autoridade de que me encontro investido.
[…]
Diga-lhe então, pediu o comandante português, que para mim será uma honra acompanhá-lo na visita. Enquanto o alcaide ia e vinha, o comandante português deu ordem ao sargento para mandar formar a tropa em duas alas. Adiantou o cavalo quando a manobra ficou concluída, até o pôr ao lado da égua do austríaco, e pediu ao intérprete que traduzisse, Seja outra vez bem-vindo a castelo rodrigo, vamos ver o elefante.

Figueira de Castelo Rodrigo, V

fcr-blog-02

fcr-blog-03

Figueira de Castelo Rodrigo, VI

Quando, de cabeça levantada, voltemos para casa, poderemos ter a certeza de que este dia será recordado para todo o sempre, de cada um de nós se há-de dizer enquanto houver portugal, Ele esteve em figueira de castelo rodrigo.
[…]

Regresso

O elefante gostou do que viu e fê-lo saber à companhia, embora em nenhum ponto o itinerário que escolhemos tivesse coincidido com aquele que a sua memória de elefante zelosamente guardava. Que haviam, disse, ele e os soldados de cavalaria, subido para o norte quase a pisar a linha da fronteira, por isso eram os caminhos tão ruins. Comparada com a viagem de então, esta foi um passeio: boas estradas, bons alojamentos, bons restaurantes, o próprio arquiduque, ainda que habituado aos luxos da Europa central, teria ficado surpreendido. A expedição foi para trabalhar, mas disfrutou como se andasse de férias. Até os sofridos câmaras, obrigados a carregar com equipamentos de sete quilos ao ombro, estavam encantados. O interessante é que nem os nossos amigos, nem os jornalistas conheciam os lugares que visitámos. Melhor para eles, que dali levaram muito que contar e recordar. Começámos por Constância, onde se crê que Camões viveu e teve casa, de cujas janelas terá visto mil vezes o abraço do Zêzere e do Tejo, aquele suave remanso da água na água capaz de inspirar os versos mais belos.

constancia

Dali fomos para Castelo Novo para ver a Casa da Câmara, do tempo de D. Dinis, e o chafariz joanino que lhe está pacificamente encostado. Vimos também a lagariça, essa espécie de dorna ao ar livre para a pisa das uvas, cavada na rocha bruta em tempos que se acredita serem os da pré-história.

castelo novo_chafariz

castelo novo_camara
Dormimos no Fundão, terra de cerejas por excelência, e na manhã seguinte ala para Belmonte onde nasceu Pedro Álvares Cabral, direitos à igreja de S. Tiago, da minha particular devoção. Ali está uma das mais comovedoras esculturas românicas que existem na face da terra, uma pietà de granito toscamente pintado, com um Cristo exangue deitado sobre os joelhos da sua mãe. Ao pé desta estátua, a célebre pietà de Miguel Ângelo que se encontra no Vaticano não passa de um suspiro maneirista. Não foi fácil arrancar o pessoal à extática contemplação em que havia caído, mas lá os conseguimos levar aliciando-os com o enigma arquitectónico de Centum Cellas, essa construção inacabada cuja problemática finalidade foi e continua e ser objecto das mais acaloradas discussões. Seria uma torre de vigia? Uma hospedaria para viajantes de passagem? Uma prisão, embora o neguem as rasgadas janelas que subsistem? Não se sabe.

cetum cella

Saciada a fome de imagens, o destino seguinte seria Sortelha, a das muralhas ciclópicas. Ali nos caiu em cima uma trovoada como poucas, relâmpagos em rajada, trovões a condizer, chuva a cântaros e granizo que era como metralha. Não chegámos a beber o café, a corrente eléctrica sumira-se. Uma hora foi o que demorou o céu a escampar.

sortelha

Ainda chovia quando entrámos no autocarro, a caminho de Cidadelhe, sobre o qual não escreverei. Remeto o leitor interessado e de boa vontade para as quatro ou cinco páginas que lhe dediquei na Viagem a Portugal. Os companheiros arregalaram os olhos perante o pálio de 1707, depois foram ver a aldeia, os relevos nas portas das casas, os caixotões da igreja matriz com retratos de santos. Vinham transfigurados e felizes.

cidadelhe

Agora só faltava Castelo Rodrigo. O presidente da câmara municipal de Figueira de Castelo Rodrigo esperava-nos na ponte sobre o Côa, a pouca distância de Cidadelhe. De Castelo Rodrigo eu conservava a imagem de há trinta anos, quando lá fui pela primeira vez, uma vila velha decadente, em que as ruínas já eram só uma ruína de ruínas, como se tudo aquilo estivesse a desfazer-se em pó. Hoje vivem 140 pessoas em Castelo Rodrigo, as ruas estão limpas e transitáveis, foram recuperadas as fachadas e os interiores, e, sobretudo, desapareceu a tristeza de um fim que parecia anunciado. Há que contar com as aldeias históricas, elas estão vivas. Eis a lição desta viagem.

José Saramago

Anúncios

23 responses »

  1. Alberto Diez Serna

    Queridos José y Pilar: Por cuarta vez hemos estado, mi mujer Amaya y yo, recorriendo Portugal. esta vez hicimos lo contrario de lo que recomiendas en “Viaje a Portugal” y planeamos el viaje siguiendo tus comentarios en esa preciosa obra.
    Me parece otra buena idea hacer este recorrido del elefante y comienzo los preparativos.
    Gracias por tus libros, libros que leo en gran parte gracias a las traducciones de Pilar.
    Y como siempre los mismos deseos que tengo para mí:
    ¡Salud y República! Ibérica y Federal, por supuesto.
    Un cariñoso abrazo. Alberto

    Responder
  2. Querida Pilar: te escuché por la radio y tienes mucha razón, la piedad es una maravilla, como me hubiera gustado hacer esa ruta con vosotros.
    Muchas felicidades a los dos y haremos esa ruta.
    con todo mi cariño Paco Cuadrado

    Responder
  3. En septiembre de 1996 viajé por primera vez con mi marido a Portugal, llevaba conmigo “Viaje a Portugal” ademas de todos los parajes descritos en las novelas de Saramago, sobre todo los rincones de Lisboa recorridos por Ricardo Reis.
    Tras visitar Lisboa, Sintra, Cascais, Alcobaça… decidimos un cambio de ruta, pasariamos los ultimos dias de nuestro viaje en Guarda (la ciudad mas alta de Portugal y donde las mujeres -dice Saramago y pudimos comprobar- son muy guapas. En estos tres dias conocimos bien Guarda y la region y nos encanto un lugar que entonces no sabiamos que habia sido testigo del paso de Salomon: Sortelha. Alli recorrimos con toda libertad lo que queda del castillo medieval, compramos unas cestitas a una anciana y saboreamos el silencio de sus calles. Quedamos encantados con la magia y el aislamiento del lugar.
    Me llamo la atencion lo cerca y lo lejos que estaba esa region de Salamanca, donde habia pasado muchos veranos de mi infancia y en cuya universidad habia estudiado durante mucho tiempo de espaldas a Portugal.
    Gracias Saramago por acercarme a tu tierra y tu cultura.
    Candi
    P.S. Perdonad la falta de acentos, estoy escribiendo desde un ordenador italiano.

    Responder
  4. MARCO TULIO F. CUNHA

    Estimados amigos lectores de José Saramago, aprovecho este espacio para sugerir a mis amigos españoles, en seguir no solo las pisadas del elefante pero ya que refieren los pasos dados por nuestro estimado José Saramago en Viaje a Portugal, que visiten y conoscan los pueblos de la provincia de Tras os Monte nomeadamente la ciudad de Miranda do Douro, frontera con provincia de Salamanca. un saludo

    Responder
  5. Congratulações

    Muito interessante

    Aurélio Barbagto

    Responder
  6. Wendel Rosa Borges

    Um orgulho para Portugal, é ter o sr. Saramago como prosador de sua terra, e de sua gente. Por sua vez Salomão é orgulho para para portugueses, espanhós, ibéricos enfim, italianos, austríacos, europeus portanto.

    Sou brasileiro, por cá tivemos D. João III por rei colonizador, mas não tivemos um elefante itinerante por nossas lindas terras.
    E atualmente não temos um gênio de tal criatividade, tal agudeza e tais valores como Zé Saramago.
    Porém, isso não se faz motivo de tristeza; o nacionalismo se curva servilmente diante da luz radiante do sr. Saramago para a humanidade.
    Nós, gentes deste mundo, de aquém e além mar, somos gratos a salomão, ao cornaca e a José Saramago pelo que fizeram e pelo que SÃO para nós.

    Responder
  7. Muito original a vossa viagem. Parabéns ! Como gostaria de ter integrado o vosso grupo!…
    Desejo-vos muita saúde.

    Responder
  8. Tenho um sonho de há muito. . .

    Que José Saramago viesse a Espinho, poderia mesmo ser sem “rota”. Temos desde ontem, uma Biblioteca fantástica, mais parece um espaço “zen”. A sua visita seria o culminar desse mesmo sonho, ter a Biblioteca.

    Responder
  9. martha mansinho

    Quanta vontade de partilhar desta viagem!!Quando for programada outra me avisem com antecedencia, saio do Brasil e vou fazer o recorrido!
    Bravo Saramago e Pilar !
    UM forte abraço, martha

    Responder
  10. A propos du voyage de l’éléphant (A viagem do elefante, trad. française 2009), on notera qu’un semblable éléphant, offert par le même roi de Portugal à Charles Quint, arpenta les rues d’Anvers le 24 septembre 1554.
    Pour une belle illustration d’époque (gravure sur bois coloriée de Jan Mollijns, Londres, British Museum, reproduction in J. Everaert & E. Stols eds, Flandre et Portugal, au confluent de deux cultures, Anvers : Fonds Mercator, 1991, p. 76), voit mon blog Belgian Indology.

    Responder
  11. Rita de Cássia dos Reis Moura

    Sou brasileria e neta de portugueses, em 2008 fui a Portugal conhecer as terras que foram de meu avô em Figueria do Castelo Rodrigo e passei momentos muito felizes. Hoje ao ler esta rota lembrei desse meu encontro com o passado de como gosto de Portugal e acho muito bonito esse país. Quero voltar e conhecer outros lugares que não pude ver naquele momento e que são retradados aqui. Muito obrigada!

    Responder
  12. DIFERENÇA ENTRE INTELIGÊNCIA E PRESUNÇÃO!!!!

    Leiam, um dos maiores vultos do pensamento e das letras em Portugal: o Comunista José Saramago, neste seu manifesto sobre ” Neste Mundo da Injustiça Globalizada, o Capitalismo…”
    O que não teria sido – ainda mais – este homem se tivesse oportunidade de estudar nas mesmas condições de alguns meninos badamecos, intelectuais de pacotilha, que passaram com notas$$$ muito altas por baixo das secretárias. Leiam e interiorizem porque não aparecerá – neste século – mais ninguém tão lúcio sobre questões do ser humano e da natureza em geral.

    Mad,
    Que me orgulho de nunca ter pertencido a qualquer partido político ou corrente religiosa.

    Responder
  13. Belíssima história, e belíssima Portugal! sou apaixonado por essas paisagens pitorescas que me portam à Idade Medieval…

    Responder
  14. Felipe Guimarães

    procurarei os livros do autor,pela transparencia que oferece

    Responder
  15. salete cesconeto de arruda

    SOUZA como meu pai.
    SARAMAGO como eu – ex bóia fria – analfabeta que cresceu como as pequenas plantas – quase musgos – entre as rochas da vida.
    Meus olhos verdes – SARAMAGO – derramam rios de lágrimas sobre o teclado.
    As rochas – cheias de SARAMAGO – da ilha onde ele escolheu para viver – SOPRAM O VENTO que chega nas velhas telhas do meu telhado – cobertas de SARAMAGO.
    E como ir novamente no Café – em Cascais – onde seus olhos brilhavam feito olhos de doce pássaro – numa bela tarde de céu azul – muralhas – enfeitadas por – SARAMAGOS?
    MAGO
    SARA
    as feridas desta SOUZA que se perdeu neste imenso Brasil – escondida atrás de outra planta – está parecendo frágil – MAS QUE FORTE – arruda – a que cura – SARA e perfuma FORTE a minha saudade…
    Na bienal do livro no Rio – MAGO me viu e sorriu. Sabia que meu rosto era conhecido.
    Mas da onde?
    Simples: nos encontramos entre uma ROCHA E OUTRA – de uma antiga RUINA – numa pequena aldeia de Portugal…
    Lágrima SARA a falta que um MAGO faz na nossa vida?
    Não sei.
    Hoje sou prantos.
    Amanhã – talvez – serei VIDA – entre as muitas ruínas da minha SAUDADE – insuportável – por um homem que mudou – com seus livros e sua história – toda a minha vida de SOUZA que era na verdade SARAMAGO como José.

    Responder
  16. Filomena Matos

    «A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o viajante se sentou na areia da praia e disse: “Não há mais que ver”, sabia que não era assim. O fim da viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite, com sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para os repetir, e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. O viajante volta já.»

    Viagem a Portugal

    Responder
  17. Juan Carlos Doncel

    Ayer inició José su último viaje, él que fue viajero incansable. Hoy fuí expresamente a despedirlo a Lisboa desde Cáceres, en un viaje mágico como el del elefante. Hasta siempre, José.

    Responder
  18. Obrigado por esta bonita viagem e por ter aprendido mais um pouco.

    Mais um dos grandes passou a ser parte da imortalidade.

    Ulisses Martins

    Responder
  19. Estoy emocionada y me parece una excelente idea la de hacer el recorrido del elefante por tierras portuguesas.
    Los lectores hemos sido afortunados al encontrar en nuestro camino a José Saramago, un excelente escritor y una gran persona.
    Hasta siempre Saramago.
    Un saludo.
    Amaranta.

    Responder
  20. Uma piquena homenagem!

    Ponho-me a pensar o pesar da tua falta!

    José de Souza Saramago o gênio de uma geração e inventor de estilos. Porque não dizer; o mago, o Saramago da literatura. Que não se deleitou com Ensaio sobre a Cegueira? Lindo livro e contundente como seu autor. Pessimista é claro, realista, metafórico. Um exemplo para humanidade, porque, sua preocupação com a humanidade vai fundo, e essa, é sua marca registrada. Esse é Saramago.
    O gênio nascido em 16 novembro de 1922 em Azinhaga, Golegã. Distrito de Santarém Portugal. Não fazia idéia do legado que deixaria para o mundo. Nem tinha si quer suspeita, que viria a ser, um dos mais importantes escritores de nossa hera! E quando recebeu O Prêmio Nobel de Literatura em 1998, o prêmio mais homejado pela classe literária – Ele apenas falou; dedico esse prêmio ao homem mais sábio que conheci ao meu Avô, que era analfabeto!
    Vieram Os Prêmios Camões, as palestras e o reconhecimento. Suas obras sempre ressaltando o homem simples e o pensamento sobre estar no mundo. Indignado com a situação do homem na sociedade e com a injustiça. Saramago um profeta dos novos tempos, rebelde e aniquílador do capitalismo global. Visionário irremediável, sempre em busca da justiça social. Membro do partido comunista Português, em que foi Diretor Adjunto e fundador da Frente Nacional Para a Defesa da Cultura (FNDC).
    Reflexões Saramagoianas: “Acho que na sociedade atual falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de reflexão, que pode não ter um objetivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objetivos. Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que sem idéias não vamos à parte alguma”.
    A sua religião, mas que religião? Jesus é uma pessoa normal, e não é filho de Deus, e sim de José. Teve relações amorosas com Maria Madalena. Esse é o Saramago cético, nem tanto, realista e empírico. E por causa dessas idéias brilhantes, se auto-exilou nas Ilhas Canárias em Lazarote. O proscrito, blasfemador, cético e comunista. Então ele agora, ascende como um grande mago, o nosso Saramago. Andarilho em Lazaronte, ainda vai mais longe – Bonito ver aquele ancião que chegou há poucos dias na Ilha? – Quem? – O eremita sábio, o mago, Saramago!
    Dizem os estudiosos que desde Kafka, Guimarães Rosa e Fernando Pessoa, ainda não tinham lido ninguém com originalidade e capacidade de prosa. E Saramago é; consciência e maestria em seus romances, na convergência da ficção e poesia. Sua letra rítmica dança entre os parágrafos que quase nem existem, assim como as vírgulas e pontos. Literatura água corrente feito rio, fluindo em imagens e signos universais.
    Saramgo foi-se, ateu, cético, pessimista e comunista. Mas foi convicto de que era isso mesmo. Tinha tanta convicção, até mais, que muitos religiosos que conhecemos. Até mesmo, de muitos ateus que conhecemos aqueles que na hora H recorrem a Deus.
    Parafraseando Guimarães Rosa; Saramago não se foi, apenas ficou Encantado…

    Ass, Agathe Cleofas

    Responder
  21. Acabo de ler a traducao maravilhosa para o Ingles de A Viagem do Elefante, depois de ter lido o original e relido muitas e muitas sentencas, fiquei imensamente surpreso com a preservacao, ou se quizerem, a transposiacao do incomparavel tom de Saramago, o que em minha modesta opiniao e o aspecto mais delicado de sua obra no que diz respeito a traducao das mesmas. Meu eterno agradecimento a Margarete Jull Costa por tamanha conquista.
    Elton Uliana

    Responder
  22. Adelaide Lopes

    A viagem do elefante, é uma obra deliciosa onde SARAMAGO, aparece um pouco mais leve e descontraído.
    Adorei este livro, tanto é assim, que o li nima só noite.
    Onde quer que estejas, obrigada, JOSÉ SARAMAGO.

    Responder
  23. Cá das distantes plagas deste país chamado Brasil, ficam aqui meus sinceros agradecimentos por tudo aquilo que José Saramago me proporcionou.
    Também pratico a escrita, ainda em fase amadora. Porém, se algum dia ela chegar a se tornar pública, não almejo ser tão bom escritor quanto Saramago (muito menos já me bastaria), mas que, semelhante sentimentos que sinto quando leio suas obras, a mesma felicidade e espanto, também surjam nestes leitores.
    Terei alcançado, então, os píncaros do que um artista pode prover.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s